Author Archives: novaaguia

A Via Lusófona IV: lançamento no Porto e em Lisboa…

A Via Lusófona IV - CAPA FRENTE

Lançamentos:

28.09.19 – 16h00: Palacete Viscondes de Balsemão (Porto)

01.10.19 – 18h00: Palácio da Independência (Lisboa)

Imagem

7 de Outubro: Celebração dos 80 anos de Pinharanda Gomes

7 Out

Imagem

28 de Setembro, no Palacete Viscondes de Balsemão, no Porto: 6ª sessão do novo Ciclo das “Tertúlias de Cultura Portuguesa”

Cartaz_FL_mensal_Set_web

A voz da Cidadania e da Lusofonia no Parlamento

ren NOS (1)

Aceitei o repto para encabeçar a Lista do “Nós, Cidadãos!” pelo Círculo “Fora da Europa” nas próximas Eleições Legislativas de 6 de Outubro. Aceitei esse repto porque, sem falsas modéstias (costumo dizer que a modéstia é uma virtude suspeita até prova em contrário), tenho um pensamento consolidado sobre o lugar de Portugal na Europa e no Mundo, o que me permitirá fazer uma campanha assente em ideias fortes e novas, o que, como sabemos, é cada vez mais raro num tempo em que as eleições se tornaram quase por inteiro num mero espectáculo, sem qualquer espessura reflexiva. Sendo que, quanto a isso, os nossos “media” têm tido a sua dose de responsabilidade: por um lado, denunciam (bem) a ausência, em geral, de ideias fortes e novas no debate político; por outro, quando elas surgem, muitas vezes as ignoram de forma ostensiva.

O lema da campanha será “A voz da Cidadania e da Lusofonia no Parlamento” e nele se antecipam os dois valores maiores que irão nortear esta candidatura: o da Cidadania e o da Lusofonia. Também aí, sem falsas modéstias, tenho currículo: como membro fundador e um dos actuais Vice-Presidentes do “Nós, Cidadãos!” e membro activo de outras associações cívicas – nomeadamente, da PASC: Plataforma de Associações da Sociedade Civil. No que se refere à Lusofonia, sou Presidente do MIL: Movimento Internacional Lusófono desde a sua formalização jurídica (2010), decerto a instituição de referência na defesa da Lusofonia ao nível da sociedade civil, sou Director da NOVA ÁGUIA, uma revista que, semestre após semestre, desde 2008, valoriza, sem complexos, a cultura lusófona, e integro igualmente outras entidades que, de diversas formas, têm em vista esse Horizonte.

Assumindo, sem qualquer complexo, a nossa dimensão lusófona, não iremos, por isso, renegar a nossa condição europeia. Somos, na Europa, o país com as mais antigas fronteiras. Não precisamos por isso de provar a quem quer que seja, de forma provinciana, que somos “bons alunos” europeus, como tem acontecido. Somos europeus sem nenhum complexo de inferioridade. Em muitos casos, não temos, porém, compatibilizado a nossa condição europeia com a nossa dimensão lusófona – o que tem sido um grande erro estratégico, o maior erro estratégico das últimas décadas. Temos, desde logo, de apoiar a diáspora portuguesa na Europa e no Mundo, que tão ignorada tem sido pela nossa classe política, sendo que Portugal será tanto mais forte na Europa e no Mundo quanto mais fortalecer os seus laços com os povos que partilham a nossa Língua, História e Cultura. Eis, em suma, a visão ampla e aberta sobre o lugar de Portugal na Europa e no Mundo que iremos defender no Parlamento Nacional.

Também no Jornal Público: 

https://www.publico.pt/2019/08/27/opiniao/opiniao/voz-cidadania-lusofonia-parlamento-1884626

E no Jornal de Relações Internacionais (Brasil): 

http://jornalri.com.br/2019-2/a-voz-da-cidadania-e-da-lusofonia-no-parlamento

Imagem

Quatro breves Memórias de Pinharanda Gomes…

image 09.08

7 de Outubro: Celebração dos 80 anos de Pinharanda Gomes

A 7 de Outubro, dia em que Pinharanda Gomes faria oitenta anos (essa era a data oficial do seu registo de nascimento), iremos promover, no Salão Nobre do Palácio da Independência (Lisboa), um Encontro em sua Homenagem, numa parceria entre diversas Instituições.
Caso queira proferir um Testemunho na sessão, deverá inscrever-se até dia 7 de Setembro.

Também no Jornal Público: “Carta a Pinharanda Gomes, no dia da sua morte”

IMG01833-20190728-1312

Caríssimo Pinharanda

Recebi há pouco a notícia da tua morte. Apesar de não ter sido inesperada, ainda não a digeri. Lembro-me apenas da nossa última conversa, onde combinámos, a 7 de Outubro, comemorar, com todos os teus Amigos (e são muitos, como sabes), o teu octogésimo aniversário.

Sei que estes últimos meses foram penosos. Ainda tenho presente quando, no início do ano, me disseste que, por razões de saúde, não irias a mais nenhum evento público. Mas foste recuperando e estiveste presente, no dia 10 de Maio, na Homenagem a João Bigotte Chorão, decerto um dos teus Amigos maiores. E, mais recentemente, no Porto, a 25 de Junho, para lançares mais um livro teu: Leonardina – Estudos acerca de Leonardo Coimbra.

Por falar em livros: sei que ainda viste, na cama do hospital, o Livro que resultou do II Festival Literário TABULA RASA, onde recebeste, em 2017, o mais do que merecido Prémio “Vida e Obra”, sucedendo ao teu conterrâneo Eduardo Lourenço. E quanto ao teu outro livro Álvaro Ribeiro: Mestre da Arte de Filosofar, fica tranquilo: o Elísio Gala está a fazer a revisão final, mas lançá-lo-emos no dia 7 de Outubro. Fica, desde já, combinado.

Já não me lembro de todo da primeira vez que nos cruzámos. Eu já te conhecia antes, enquanto Autor, apesar de, na Universidade, ainda hoje seres um nome incómodo, o que sempre te fez sorrir. Mas até nesse plano houve um justo reconhecimento final, com a atribuição do Doutoramento Honoris Causa no ano passado, na Universidade da Beira Interior. Fico feliz por teres tido ainda esse reconhecimento, apesar de saber que não ligavas mesmo nada a esses títulos. Costumo dizer que a humildade é uma virtude suspeita até prova em contrário: ora, tu sempre foste uma das provas maiores em contrário que conheci.

Escusado será aqui recordar-te tudo o que te devemos: não apenas enquanto Historiador mas, acima de tudo, enquanto Filósofo. Nesse plano, as nossas afinidades e cumplicidades sempre foram imensamente maiores do que as nossas diferenças. Sempre nos uniu esse amplo e profundíssimo amor à nossa Língua, História e Cultura. Por isso, quando tive que partilhar a notícia da tua morte com os teus Amigos, escrevi apenas: “A Pátria Lusófona está de luto: Pinharanda Gomes (16.07.1939 – 27.07.2019)”. Não consegui dizer que morreste… Até dia 7!

Renato Epifânio

Presidente do MIL: Movimento Internacional Lusófono

www.movimentolusofono.org