Author Archives: novaaguia

23 de Maio, Lançamento de Livro Fundação Lusíada/ MIL…

A FUNDAÇÃO LUSÍADA e o seu Presidente – Dr. Abel de Lacerda Botelho têm a honra de convidar V. Exª., Família e Amigos, para a apresentação pública do Livro: A FELICIDADE SOMOS NÓS Pessoa, Contrato e Matrimónio da autoria do Professor Doutor Diogo Leite de Campos.
O lançamento do Livro decorrerá na Universidade Autónoma de Lisboa – Luís de Camões, a 23 de Maio de 2019, pelas 18 horas, e além do Autor e do Editor, usará da palavra o Exmº. Prof. Dr. Fernando Araújo.
Endereço: Universidade Autónoma de Lisboa Palácio dos Condes do Redondo Rua de Santa Marta, 56 – Lisboa
Diogo Leite de Campos – “A Felicidade somos Nós: Pessoa, Contrato e Matrimónio”, Lisboa, Fundação Lusíada/ MIL/ DG Edições, 2019, 233 pp. ISBN: 978-989-54268-7-4

Outras Obras promovidas pelo MIL: https://millivros.webnode.com/

Anúncios
Imagem

22 de Maio, na Associação dos Pupilos do Exército…

Imagem

18 de Maio, NOVA ÁGUIA no Porto…

Cartaz_FL_mensal_Mai_web

Entrega do Diploma de Instituição Honorária da Academia Internacional da Cultura Portuguesa ao MIL…


2 de Maio, na Sociedade de Geografia de Lisboa: Entrega do Diploma de Instituição Honorária da Academia Internacional da Cultura Portuguesa ao MIL

Os nossos agradecimentos a todos os presentes no 10º Aniversário do MIL…

27 de Abril, na Associação Caboverdeana de Lisboa
Imagem

10 de Maio: Encontro de Homenagem a João Bigotte Chorão

8 de Maio: “Páginas Esquecidas de Agostinho da Silva”

No refluxo das comemorações do centenário do nascimento de Agostinho da Silva, que decorreram durante todo o ano de 2006 e que se estenderam a (quase) todo o espaço lusófono, deu-se uma estranha “conjugação cósmica” (ainda que de responsabilidade exclusivamente humana) que levou a um quase absoluto bloqueio de novas edições de textos agostinianos, o que foi tanto mais absurdo porquanto havia um grupo de pessoas (que integrávamos) disponível para continuar a trabalhar na edição dos seus inéditos.

Nesta última década, saíram apenas alguns títulos sobre Agostinho da Silva – nomeadamente: de António Cândido Franco (“O Estranhíssimo Colosso: uma biografia de Agostinho da Silva”, Quetzal, 2015) de Risoleta C. Pinto Pedro (“A literatura de Agostinho da Silva: essa alegre inquietação”) e de Pedro Martins (“A liberdade guiando o povo: uma aproximação a Agostinho da Silva”) – estes dois últimos saídos em 2016 (Zéfiro/ Colecção Nova Águia). Na mesma colecção saiu, ainda em 2016, o obra “A última entrevista de imprensa de Agostinho da Silva”. De resto, para além de alguns excertos da segunda parte (inédita) da “Vida Conversável” que têm sido publicados na Revista “Nova Águia”, nada mais.

Por tudo isso, não podemos deixar de saudar efusivamente a recente publicação da obra “Páginas esquecidas de Agostinho da Silva” (Quetzal, 2019), coordenada por Helena Briosa e Mota, uma agostiniana particularmente qualificada, que já havia sido responsável pela organização dos volumes “Textos Pedagógicos” (dois volumes) e “Biografias” (três volumes), das “Obras de Agostinho da Silva” (Âncora/ Círculo de Leitores, 1999-2003), para além de co-autora do livro “Uma introdução ao estudo do pensamento pedagógico do Professor Agostinho da Silva” (Hugin, 1996).

Não sabemos se, por si só, o lançamento desta obra irá reverter o bloqueio editorial de textos agostinianos que, a manter-se, não poderá deixar de significar a segunda morte de Agostinho da Silva. Por si só, provavelmente não, tal o alcance dessa estranha “conjugação cósmica” (ainda que, reiteramo-lo, de responsabilidade exclusivamente humana). Que seja, pelo menos, a pedrada no charco que leve algumas pessoas a reverem a sua posição. É verdade que se pode dizer que, comparativamente, Agostinho da Silva nem é dos autores mais esquecidos. Mas, havendo ainda (significativos) inéditos seus por publicar, seria um crime de lesa-pátria (lusófona) deixar esses textos para sempre enterrados numa gaveta. É mais do que tempo de a (re)abrir.


Também no Jornal Público:
https://www.publico.pt/2019/04/25/opiniao/opiniao/segunda-morte-agostinho-silva-1870468