28º número da NOVA ÁGUIA, a Revista do MIL…

Antes da Pandemia, em Novembro de 2019, a NOVA ÁGUIA e o MIL (Movimento Internacional Lusófono), em parceria, como é nosso hábito, com outras entidades (académicas, culturais e cívicas), promoveram dois relevantes eventos: o VI Congresso da Cidadania Lusófona e o Congresso Eça de Queiroz, nos 150 anos da abertura do Canal do Suez. No vigésimo oitavo número da nossa Revista, começamos por publicar os melhores textos apresentados, em primeira mão, nesses dois Congressos, que iremos retomar neste ano de 2021: com o VII Congresso da Cidadania Lusófona e o II Congresso Eça de Queiroz – 150 anos, agora a propósito da publicação d’O Mistério da Estrada de Sintra, das Conferências Democráticas do Casino Lisbonense e do início da publicação d’As Farpas.
Em “Outros Vultos”, começamos por publicar mais um marcante ensaio – sobre Antero de Quental e Guerra Junqueiro – de António Braz Teixeira, decerto o maior hermeneuta vivo do nosso universo filosófico e cultural, não só português mas, mais amplamente, lusófono, como mais recentemente se comprova pelos três livros editados, neste último ano, com a chancela do MIL: A Vida Imaginada: Textos sobre Teatro e Literatura (2020); Interrogação e Discurso: estudos sobre filosofia luso-brasileira e ibérica (2021); A saudade na poesia lusófona africana e outros estudos sobre a saudade (2021). Nesta secção, evocamos ainda dois dos nomes maiores da Filosofia Brasileira no último meio século – Miguel Reale e António Paim –, este falecido no derradeiro dia de Abril do ano em curso.
Em “Outros Voos”, publicamos mais de uma dezena de textos, de temática diversa, começando com um excelso ensaio de António José Borges sobre “O que é ser português?”, e, em “Extravoo”, uma entrevista a João de Melo, sobre a forma como tem atravessado, enquanto escritor, o período pandémico. Depois, damos o devido destaque à publicação das “Obras Escolhidas” de Manuel Ferreira Patrício (entretanto falecido em Setembro), provavelmente o acontecimento editorial do ano, e, no “Bibliáguio”, a par de outras publicações recentes, destacamos igualmente a Colecção “Mestres da Língua Portuguesa”, de Jorge Chichorro Rodrigues. Por fim, temos uma nova secção, que se manterá nos próximos números, “Moradas: Caderno poético e visual”, coordenada por Samuel Dimas, Vice-Director da Revista, com a qual iremos reforçar a asa poética da NOVA ÁGUIA, a par da asa ensaística que, já perto das três dezenas de números, mais tem marcado, e notabilizado, este nosso Voo.

Ver Índice: https://novaaguia.blogspot.com/2021/10/nova-aguia-n-28-capa-e-editorial.html

Os comentários estão fechados.