Monthly Archives: Abril 2021

O MIL presente na Vigília pela Paz em Cabo Delgado…

23 de Abril, em frente da Sede da CPLP: Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Imagem

30 de Abril: sobre Cidadania Lusófona, na Convenção Mais Cidadania…

Imagem

23 de Abril, 19h, em frente da Sede da CPLP (em Lisboa): Vigília pela Paz em Cabo Delgado, com o Apoio do MIL…

Acontecimento Editorial do Ano: “Obras Escolhidas de Manuel Ferreira Patrício”

Mais Livros MIL: https://millivros.webnode.com/

Para encomendar: info@movimentolusofono.org

Também no jornal Público: “Carta Aberta ao Presidente de Moçambique”


Excelentíssimo Senhor Presidente de Moçambique

Caríssimo Engº Filipe Nyusi

Como certamente vai sendo informado, a gravíssima situação vivida no norte de Moçambique tem tido algum eco mediático em Portugal – ainda que muito distante do eco que deveria ter, tratando-se de um país irmão. Há ainda, com efeito, uma significativa maioria de pessoas em Portugal que olha assim para Moçambique, como um país irmão, e que está genuinamente preocupada com o que está a acontecer.

Temos também acompanhado algumas negociações diplomáticas, nomeadamente entre Moçambique e Portugal, e estamos informados da vossa posição de princípio: de que apenas militares moçambicanos se envolvam, directamente, na resolução do conflito armado em curso.

Compreendemos essa vossa posição de princípio: é sempre melindroso, para qualquer país, assumir que os seus recursos próprios, por si só, não são suficientes. Mas consideramos que, face à escalada da situação, essa posição de princípio se torna cada vez menos sustentável. Para mais, Moçambique não seria o primeiro país soberano a fazê-lo. Nem, a fazê-lo, será decerto o último. O nosso comum país irmão, Timor-Leste, como sabe, só com ajuda externa conseguiu libertar e pacificar o seu território.

Compreendemos igualmente a vossa particular relutância em aceitar o envolvimento directo de militares portugueses na resolução do conflito armado em curso. Como ex-potência colonial, esse eventual envolvimento directo poderia, de facto, ser equivocamente entendido como uma tentação neo-colonial por alguns moçambicanos, por mais que, como é do vosso conhecimento, não seja, de todo, esse o espírito que anima as autoridades portuguesas, a começar pelo nosso reeleito Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Como já o ouviu de viva voz, o nosso Comandante Supremo das Forças Armadas assume Moçambique como a sua “segunda Pátria”. O mesmo acontece, como nós próprios o podemos testemunhar, com muitos outros portugueses. E em nenhuma circunstância, podemos assegurá-lo, tal assunção decorre de uma tentação neo-colonial, por mais que exista, nalguns casos, algum (justo) ressentimento pela forma (caótica) como decorreu a descolonização. Mas isso, para a significativa maioria que em Portugal olha para Moçambique como um país irmão, são, realmente, “águas passadas”. Não há ninguém em Portugal, no seu juízo perfeito, que alimente qualquer tentação neo-colonial.

Se, ainda assim, considerar que o envolvimento directo de militares sob a bandeira portuguesa pode ressuscitar alguns “fantasmas”, tome por favor em consideração a seguinte proposta: aceite uma força militar sob a bandeira da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa). Estamos certos de que não será difícil de a constituir rapidamente, sendo que, como também se verificou em Timor-Leste, é essencial que as forças militares no terreno falem a mesma língua que as populações locais. Por tudo isso, esta parece-nos ser pois a solução ideal, que deixamos, respeitosamente, à vossa consideração.

Com as mais fraternas saudações lusófonas,

Renato Epifânio

Presidente do MIL: Movimento Internacional Lusófono

www.movimentolusofono.org

27º Voo da NOVA ÁGUIA, a Revista do MIL…

Capa, Editorial e Índice da NOVA ÁGUIA nº 27…