Daily Archives: Março 12, 2017

Em prol de um Debate com Referendo sobre o futuro da União Europeia

No início do mês de Março de 2017, Jean-Claude Juncker, Presidente da Comissão Europeia, lançou um debate público sobre o futuro da União Europeia (UE), equacionando cinco cenários: o primeiro dos cinco cenários prevê a continuação do rumo seguido até aqui, sendo que, até 2025, os 27 Estados-membros se concentrarão no crescimento, emprego e investimento, reforçando o mercado único e aumentando o investimento nas infraestruturas digital, de transportes e da energia; o segundo cenário centra-se no mercado único, que até 2025, se torna o cerne da UE a 27, e as opções políticas serão para facilitar a livre circulação de capitais e mercadorias; um terceiro cenário dirige-se aos que querem fazer mais, numa Europa ‘à la carte’ e com aprofundamentos de políticas específicas, como a de defesa, por exemplo, entre os Estados-membros que o desejem; o quarto cenário é o de a UE fazer menos mas com maior eficácia, legislando menos e centrando-se em prioridades claramente definidas; o quinto e último cenário prevê que se faça mais em conjunto, num caminho para a federalização.

Saudando essa iniciativa da Comissão Europeia de, finalmente, auscultar a voz de todos os cidadãos europeus sobre o futuro da União Europeia, o MIL: Movimento Internacional Lusófono exorta a nossa sociedade civil a corresponder a esse repto, promovendo, durante todo este ano de 2017, um amplo debate sobre o futuro da nossa integração na União Europeia, tomando como ponto de partida estes cinco cenários. Desde já propomos que esse amplo debate tenha como corolário um referendo nacional, a realizar-se no primeiro semestre de 2018. Recordamos que mil e uma vezes nos foi prometido um referendo sobre a nossa integração na União Europeia, sem que alguma vez esse referendo tenha ocorrido. Consideramos ser este o momento certo. Portugal não pode continuar dependente das decisões dos outros países europeus. Portugal pode e deve assumir em que termos pretende continuar na União Europeia. Portugal pode e deve decidir, finalmente, a melhor forma de articular a nossa relação com o espaço europeu com a nossa, até aqui tão desprezada, relação com o espaço lusófono. Chegou finalmente a hora de os portugueses se pronunciarem sobre o nosso futuro.

 

Lançamento(s) de “Simpósio de Homenagem a Manuel Ferreira Patrício”

mfp

Um ano após ter decorrido, por iniciativa da Universidade de Évora, do Instituto de Filosofia Luso-Brasileira e do Instituto de Filosofia da Universidade do Porto, o Simpósio de Homenagem a Manuel Ferreira Patrício, é agora lançado o volume que resultou desse evento (MIL/ DG Edições), assim justificado, na contracapa: “Professor Catedrático e antigo Reitor da Universidade de Évora, presidente e grande animador e mentor da Associação da Educação Pluridimensional e da Escola Cultural, membro efectivo da Academia das Ciências de Lisboa, do Instituto de Filosofia da Universidade do Porto e da Direcção do Instituto de Filosofia Luso-Brasileira, Manuel Ferreira Patrício, ao longo de uma vida de reflexão, de estudo e de intensa acção cultural e educativa, afirmou-se como uma figura de invulgar relevo no panorama da meditação sobre a formação do homem, que denominou antropagogia, bem como da hermenêutica do pensamento português contemporâneo, como exemplarmente o documentam os seus estudos de referência sobre Leonardo Coimbra, Teixeira de Pascoaes, Fernando Pessoa e António Sérgio, bem como a sua assídua participação em congressos, colóquios, seminários e provas académicas.”

O volume inicia-se com uma panorâmica da obra e do pensamento de Manuel Ferreira Patrício, realizada por António Braz Teixeira (“Saudação ao Académico Manuel Ferreira Patrício”), seguida de uma série de textos (ou “teses”), de Afonso Rocha, Artur Manso, Carlos Henrique do Carmo Silva, João Tiago Lima, Joaquim Pinto, Jorge Olímpio Bento, José Almeida, José Bettencourt da Câmara, José Gama, José Pedro Matos Fernandes, Luís G. Soto, Luís Miguel Sebastião, Manuel Cândido Pimentel, Margarida Amoedo, Maria José de Figueiroa-Rego, Maria Leonor Xavier, Maria de Lourdes Sirgado Ganho, Maria Teresa Santos, Renato Epifânio, Samuel Dimas e Sofia A. Carvalho. Por fim, temos ainda uma série de “testemunhos”, de Annabela Rita, António Cândido Franco, Carmos Braumann, Carlos Pinto de Sá, Celeste Natário, Cristiana de Soveral e Paszkiewicz, Fátima Zacarias, Helena Briosa e Mota, Joaquim Domingues, José Bravo Nico, José Manuel Martins, Júlia Adelaide Prior Alves, Luís Manuel A.V. Bernardo, Maria Emília Apolinário, Maria Manuel Lucena Sampaio Borges, Miguel Real e Sara Marques Pereira.

 

Sessões de Lançamento: 23 de Março, 17h, Palácio da Independência (Lisboa) – apresentação de José Esteves Pereira | 5 de Abril, 17h, Universidade de Évora – apresentação de António Cândido Franco | 7 de Abril, 17h, Biblioteca da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto – apresentação de Jorge Teixeira da Cunha.

 

Outras obras promovidas pelo MIL:

http://mil-hafre.blogspot.pt/p/para-encomendar-info-movimentolusofono.html

Esta Semana, Evento MIL em Cabo Verde…

No âmbito das comemorações do aniversário da Biblioteca Municipal Dr. Pedro Silva (em S. Martinho Grande), a Câmara Municipal da Ribeira Grande de Santiago – em parceria com a Fundação Lopes Filho – celebra esta terça-feira, 14 de Março, às 15h, um protocolo de cooperação com o  MIL: Movimento Internacional Lusófono, representada em Cabo Verde pelo Dr. Elter Manuel Carlos.

Na ocasião, o Dr. Carlos Bellino Sacadura apresentará uma Comunicação sobre Agostinho da Silva: “Para além da Filosofia: O Pensamento Místico e Poético de Agostinho da Silva”.