8 Abril | Co-organização MIL em Cabo Verde

unicv

II CONFERÊNCIA CABO-VERDIANA DE “FILOSOFIA, LITERATURA E EDUCAÇÃO” – Sob o Lema: Diálogos com Pensadores de Língua Portuguesa.

08 DE ABRIL DE 2016 – UNIVERSIDADE DE CABO VERDE (CAMPUS DE PALMAREJO)

Enquadramento:

A relação entre Filosofia, Literatura e Educação, sendo uma relação triádica e formadora do espírito humano, acaba-se por desvendar num sustentáculo comum que os une: a leitura. “Processo de pura interioridade” – diz-nos Gadamer – a leitura é uma das mais belas experiências de formação humana. Pois, a única condição sob a qual se encontra a literatura é a “sua transmissão linguística e seu cumprimento na leitura. Não deixa de ser fundamental insistirmos nessa relação entre estas três áreas. Na verdade, note-se, contemporaneamente, um certo desfasamento, ainda que psicológico devido a uma postura epistemológica unidimensional, na concepção dessa relação íntima. A academia não pode alimentar esta ausência de diálogo entre instâncias que, mesmo muitas vezes não propiciando um fácil diálogo, não deixaram, no entanto, de cruzarem os seus olhares.

De facto, se a filosofia começou-se por assumir uma forma literária e poética, não é menos verdade que toda a grande poesia e literatura trazem sempre uma visão do mundo e da vida, uma postura filosófica, acabando-se quer a filosofia, quer a literatura por serem educativas: ambas visam a formação do ser humano na sua plenitude, contribuindo para a perfectibilidade do humano sobre a Terra.

“Os grandes poetas – diz-nos Abranges de Soveral – não colocam problemas pedagógicos. Resolvem-nos. Têm a nítida consciência que a beleza é o alimento superior do espírito”. A palavra literária – e falamos aqui em literatura no sentido de Arte literária – deve ser estimulada no contexto pedagógico e educativo cabo-verdiano, tendo a Universidadde de Cabo Verde um papel irrecusável em prol de um estímulo à leitura e de dar a ler os autores que, com suas ideias, construiram a nossa Cultura. Cultura Rica. Verdadeira cultura do logos. E assim acontece com todas as culturas de língua portuguesa, valorizando a sua diversidade linguística e criadora de mundos possiveis.

Na verdade, se uma das melhores formas de conhecer um povo é através da sua literatura, isto é, se através da literatura se pode colocar a pergunta sobre Quem foi, Quem é e Quem será determinado povo, isto implica, necessariamente, (re)visitar a riqueza textual das páginas das nossas literaturas lusófonas, mediante um movimento de identidade-alteridade-diferença, onde a educação deve desempenhar um papel fundamentante. E esse papel fundante da educação encontra na literatura um pilar irrecusável, tanto do ponto vista da criação como do ponto de vista da recepção da obra literária no momento da sua leitura. E é assim que, nesta II Conferência de Filosofia, Literatura e Educação, pretendemos pôr em diálogo a filosofia e a literatura, trazendo ao debate filósofoe e escritores, sem desmerecer o lugar da configuração literária da própria formação humana: Baltasar Lopes, da Silva Agostinho da Silva, Xanana Gusmão, Corsino Fortes, Paulino de Jesus da Conceição, Raúl Brandão, Delfim Santos, Pedro Monteiro Cardoso, Eugénio Tavares ou Raúl Brandão, são alguns dos pensadores a serem trabalhados nesta jornada de reflexão.

 

Objectivos

Esta II Conferência tem como alvo dar continuidade ao propóstico desenvolvido na I Conferencia Cabo-vediana de Filosofia, Literatura e Educação, embora desta vez sob o lema: diálogos com pensadores de das culturas de língua portuguesa. Uma das formas de alimentar o diálogo entre filosofia e literatura nas culturas lusófonas é a partir do estímulo que poderá nascer em debates, conferências, mesas redondas, convidando estudantes do ensino secundário e superior, com vista a proporcionar a estes educandos em processo de formação e aos investigadores e docentes, um momento de debate com a finalidade de – a partir da filosofia, da literatura e da educação ( e das relações entre elas) –, procurar subsídios para uma consciente procura de aportes epistemológicos para a compreensão de questionamentos que nos interpelam a todos. Ademais espera-se com esta conferência poder:

 

  • Debater a relação entre filosofia, literatura e educação em Cabo Verde e no espaço lusófono;
  • Verificar em que medida a tradição literária e cultural cabo-verdiana pode propiciar novos paradigmas de pensamento, contrastantes com o paradigma tecnológico e científico que reina na contemporaneidade.
  • Proporcionar aos estudantes de filosofia, literatura e educação, bem como a estudantes do ensino secundário (convidados especiais, pois estão na idade nobre para tal) um momento de interação com autores cabo-verdianos, de modo a poderem comprender e deleitar-se sobre o valor estético e ético da poesia, e da literatura de um modo geral, dando passos para a compreensão de uma filosofia que está presente no espaço poético-lietrário cabo-verdiano.
  • Estabelecer pontes entre a Universidade e a comunidade, fomentando laços com as escolas secundárias, fornecendo ambiente propício para futuros projectos comuns no que tange a formação de leitores.
  • Promover a língua portuguesa e a língua crioula, bem como outras línguas maternas no seu sentido ontológico e estético de expressão literária e poética.
  • Fortalecer as relações protocolares existentes entre o MIL e o DCSH- Coordenação de Filosofia da UNICV, no ambito cientifico e cultural, isto é, na partilha, produção e comunicação de conhecimentos nas áreas afins.

Resultados esperados

Espera-se, com a realização desta actividade da UNICV e do MIL (como manda o dinamismo do Protocolo assinado já na I Conferência de Filosofia, Lietartura e Educação), os propósitos seguintes:

  • Estimular a criação paulatina de um espaço permanente de debate entre investigadores, docentes, discentes e escritores, de modo a sermos mais sensíveis sobre a necessidade de estudar, ler e investigar temas e obras literárias que representam o pensamento cabo-verdiano, bem como vislumbrar a(s) filosofia(s) que estão subjacentes a esse modo de pensar cabo-verdiano;
  • Promover a UNICV como academia promotora de debate e reflexão, construtora de novos paradigmas de pensamento;
  • Publicar, no futuro próximo, na UNICV, os resultados deste encontro cientifico-cultural, de modo a ser mais visível os resultados desta actividade;
  • Matarializar, na prática, novos desafios ao dinamismo do Protocolo assinado no dia 18 de Outubro de 2013 entre a UNICV e o MIL.

Público Alvo:

Professores e alunos da UNICV e de todos os ciclos de ensino e instituições interessadas; todos aqueles que se interessam pela leitura literária e filosófica. Escritores, poetas, filósofos, associações culturais. Amigos do MIL.

Comissão Organizadora da IIª Conferência Cabo-verdiana de Filosofia Literatura e Educação

Coordenação de Filosofia / MIL- Cabo Verde.

Docentes de Filosofia da UNICV.

Professora Arminda Brito.

Professora Elvira Reis.

Os comentários estão fechados.